Do portal Doutíssima:

Doutíssima informa: Ciência descobriu as vantagens do cigarro eletrônico

Polêmico: Cigarro eletrônico pode, na verdade, fazer bem.

 

São Paulo, 16 de outubro de 2013

Com a grande polêmica que os cigarros eletrônicos causaram após o seu boom de consumação mundial, chegando até mesmo ao Brasil (mesmo ainda não sendo legalmente permitidos); é a primeira vez que uma pesquisa científica demonstra a segurança e eficácia do cigarro eletrônico para fumantes que desejam reduzir, mas não parar o consumo de tabaco. O estudo, que Doutíssima apresenta ao Brasil, avaliou os voluntários durante um ano inteiro.

 

 

Um estudo mais que justificado, face ao problema do tabagismo.

A pesquisa se justifica perante os problemas de saúde provocados pelo tabaco e os resultados ainda muito modestos sobre a eficiência dos métodos aceitos atualmente para parar de fumar. Além das polêmicas causadas em torno do cigarro eletrônico (também conhecido como e-cigarro) desde que ele ficou popular e ganhou a aceitação entre os fumantes que buscam uma alternativa menos nociva.

A OMS (Organização Mundial de Saúde) ainda possui um aviso negativo sobre o cigarro eletrônico e ele não pode ser comercializado no Brasil. Ainda há uma enorme falta de pesquisas e estudos, como este, que possam provar a eficiência e garantir a segurança da utilização desses produtos. Aliás, muitas marcas são fabricadas na China, onde o controle de qualidade sobre esses produtos ainda é duvidoso. Assim, um estudo rigoroso sobre os cigarros eletrônicos é mais que necessário.

 

A pesquisa : passo-a-passo

Durante o estudo foram examinadas 300 pessoas de 18 à 70 anos, com bom estado geral de saúde e fumantes há pelo menos 5 anos de uma quantidade mínima de 10 cigarros por dia. Nenhum método de apoio psicológico foi proposto. Os voluntários foram informados que, durante toda a pesquisa, eles poderiam fumar quantos cigarros normais ou eletrônicos eles quisessem, com o objetivo de representar a “vida real” do fumante.

Os participantes foram distribuídos por sorteio em 3 grupos de 100 pessoas e de forma totalmente cega. Nem os pesquisadores, nem os voluntários sabiam a qual grupo as pessoas estavam classificadas. Os grupos eram:

- GRUPO 1: cigarros eletrônicos com 7,2 mg de nicotina

- GRUPO 2 : cigarros eletrônicos com 7,2 mg de nicotina durante 6 semanas e depois com 5,4 mg de nicotina

- GRUPO 3: cigarros eletrônicos sem nicotina

Cada paciente recebeu uma quantidade suficiente de cigarros eletrônicos durante 12 semanas (fase de intervenção, com uma quantidade máxima de 4 maços por dia), depois teve um acompanhamento das quantidades durante 54 semanas (fase de observação). Durante este período, os voluntários preencheram um diário e receberam 9 visitas de controle para verificação de: número de cigarros fumados por dia (seja eletrônico ou normal), nível de monóxido de carbono exalado, sintomas de abstinência (ansiedade, depressão, insônia, irritação, constipação, quantidade de alimentos ingeridos) e efeitos colaterais secundários (pressão arterial, ritmo cardíaco, peso, tosse, boca seca, irritação da garganta, dificuldades respiratórias, dor de cabeça).

Os cigarros eletrônicos utilizados continham propilenoglicol e glicerina vegetal aromatizada (com ou sem nicotina)

 

 

Resultados surpreenderam os pesquisadores após 1 ano de análises

Após um ano de acompanhamento, 65 (grupo 1), 63 (grupo 2) e 55 (grupo 3) dossiês foram analisados e os resultados foram parecidos nos 3 grupos de voluntários que não tinham a intenção de parar de fumar:

- 8,7% tinham parado completamente de fumar durante esse ano. Número que é bem grande e impressionou os pesquisadores.

- 10,3% dos voluntários tiveram uma redução significativa na taxa de monóxido de carbono exalado e na quantidade de cigarros consumidos por dia.

Quase nenhum efeito colateral ou sintomas de abstinência foram registrados. Os participantes tiveram uma boa aceitação e percepção global dos cigarros eletrônicos.

A conclusão da pesquisa é de que o cigarro eletrônico é um meio muito útil para os fumantes que querem diminuir sua quantidade de tabaco consumida por dia. Mais estudos ainda são necessários para as pessoas que queiram parar totalmente com o vício, mas a taxa de abstinência do estudo é encorajadora.

Mesmo que os efeitos do cigarro eletrônico a longo prazo ainda sejam desconhecidos, estudos como esse são importantes para o avanço das técnicas antitabagismo. A grande preocupação pousa sobre os jovens, caso os cigarros eletrônicos sejam liberados. Será que mesmo com resultados animadores sobre sua capacidade antifumo, os e-cigarros seriam um incentivo aos jovens tornarem-se fumantes? Em países onde o produto já foi aceito, como na França, a venda para menores de 18 anos é proibida.

Fonte: Caponneto P, Campagne D, Cibella F, Morjaria JB, Caruso M, Russo C, Polosa R. Efficiency and Safety of an electronic cigarette (ECLAT) as Tobacco Cigarettes Substitute: A Prospective 12-Month Randomized Control Design Study. OLOS ONE 2013 June 24.